Guerra Rússia – Ucrânia: como a adoção de práticas regenerativas pode mitigar efeitos da falta de insumos

O agronegócio nacional se viu de frente com uma problemática inesperada: um conflito no Leste Europeu, entre Rússia e Ucrânia, que pode afetar diretamente as produções brasileiras. Isso porque o país importa 85% dos fertilizantes que utiliza (principalmente potássio), dos quais os russos são responsáveis por mais de 20%. O trabalho, agora, é reverter esse cenário, buscando soluções que garantam menor dependência desses insumos importados, especialmente para os pequenos produtores que, com menor caixa para compor estoque, se mantêm em estado de preocupação constante com o futuro de suas lavouras.

O que dizem os especialistas?

Alguns especialistas afirmam que certamente haverá desabastecimento mundial (que já estamos presenciando). Por um lado, já há uma movimentação governamental, como o recente lançamento do Plano Nacional de Fertilizante, que visa colocar em prática ações para equilibrar produção e compra desses produtos, até 2050. Entretanto, novas iniciativas podem ser tomadas de forma mais imediatista para que nas próximas safras, os produtores – mais especificamente pequenos e médios – não colham prejuízos.

Os pacotes tecnológicos da produção agrícola brasileira, notoriamente dependem de insumos químicos específicos e de correção nutricional para manter uma produtividade economicamente viável. Em zonas do bioma Cerrado, essa necessidade se intensifica ainda mais, aumentando a dependência de NPK (nitrogênio, fósforo e potássio). Porém, nossa agricultura tropical nos permite pensar em processos de melhora do solo que não estejam exclusivamente relacionados aos defensivos e fertilizantes químicos.

Como os sistemas agroflorestais podem contribuir?

Os sistemas agroflorestais são uma alternativa real aos produtores. De forma geral, são interações e processos de produção em um sistema biodiverso, incluindo sítios pobres ou degradados, envolvendo não só a reconstituição das características do solo, como também a recuperação da paisagem como um todo e um aumento considerável de opções frente às flutuações de mercado e mudanças climáticas.

Agrofloresta como alternativa na prática

A produção agroflorestal vem ao encontro da atual demanda por uma agricultura regenerativa e sustentável, além de se colocar como forte aliada no processo de ‘libertação’ da dependência integral de fertilizantes.

A produção de biomassa como alternativa

A produção de biomassa também demonstra fortalecer esse conceito. O plantio de espécies de serviço também é importante para a produção de biomassa através de podas, e é usada para proteger o solo, retendo umidade e criando um microclima não apenas para o bom desenvolvimento das mudas, mas também propiciando a vida no solo. As espécies de serviço também auxiliam na descompactação do solo, pois o crescimento de suas raízes percolam profundidades diferentes, permitindo maior infiltração da água. E ainda, fazem sombra inicial para as espécies de ciclo mais longo, podendo também ser produtoras de frutos e atrair polinizadores.

Além desses pontos, esse sistema enumera vantagens frente à agricultura convencional, como a recuperação da fertilidade dos solos, com redução de erosão, aumento da infiltração de água, e consequentemente, a conservação de rios e nascentes. Destaca-se ainda o aumento da diversidade de espécies, privilegiando o controle natural de pragas e doenças e a diversificação da produção, de modo que o agricultor não dependa de um só mercado.

 

Saiba mais sobre agrofloresta:
Espécies, mão de obra, maquinário e mercado, todos devem ser escolhidos e analisados dentro um planejamento detalhado para resultar no melhor custo-benefício e retorno.
Indispensáveis na agrofloresta, as espécies de serviço tem várias funções, mas uma das principais é a produção de biomassa.
Recebemos a pergunta do Carlos, que é de Manaus e gostaria de implantar uma agrofloresta em 32 hectares, numa área que já é uma floresta.
veja também
A Mata Atlântica A Mata Atlântica é um dos biomas mais ameaçados do Brasil devido ao intenso desmatamento que vem...
No primeiro post da série “Diários da comida”, lembramos da nossa viagem de 2019 para os Planaltos Bolivianos. Por quê...
O que nós PRETATERRA chamamos de Exponential Lab é o nosso laboratório e área de Pesquisa & Desenvolvimento de Tecnologias Exponenciais para levar agrofloresta para outros rumos, outras instâncias e para novos horizontes.

drop's regenerativos

fique informado! se inscreva e receba as últimas notícias sobre agrofloresta




    Nós nos preocupamos com seus dados e adoraríamos usar cookies para melhorar sua experiência. Você pode saber mais sobre nossa política de privacidade e cookies aqui.